feed facebook

Pesquisa







PARCEIROS




Certificação Energética de Edifícios

Franchise Show 2011 recebeu cerca de 3.000 visitantes

A 14ª edição do Franchise Show, que decorreu entre 5 e 6 de Novembro, na Exponor, em Matosinhos recebeu cerca de três mil visitantes, que procuravam novas oportunidades de negócio em franchise. A maior mostra de franchising da região Norte teve como tema central o financiamento e contou com a presença de mais de 60 conceitos de franchising, dos quais 25% eram novidades.

Na edição deste ano do Franchise Show, os empreendedores portugueses puderam conhecer mais de 15 novos conceitos em modelo de franchising e oportunidades de negócio entre os 1.500 euros e os 150 mil euros. Apesar da mostra ter sido bastante diversificada ao nível de sectores de actividade, as áreas com maior representação em termos de número de expositores foram a estética e bem-estar, consultoria financeira e seguros, formação e ensino, serviços de publicidade e comunicação. A marcar presença estiveram também conceitos ligados à reciclagem de consumíveis, agências de viagens, gestão de condomínios, mediação de obras, mediação imobiliária, arrendamento, serviços de apoio à terceira idade, energias alternativas, comércio de bouquets de doces e mediação automóvel.

O número de visitantes do certame aumentou 3% face ao ano anterior, sendo que 64% das pessoas que visitaram a feira eram homens, dos quais 77% tinham idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos de idade e 73% eram empresários ou quadros médios ou superiores de empresas. Registou-se ainda um aumento de desempregados em visita à feira. Como pontos fortes do certame, os visitantes destacaram a diversidade de preços e a inovação dos conceitos apresentados, sendo que o espaço de debate e conferências também mereceu especial atenção por parte dos investidores que se deslocaram à feira nos dois dias do evento. 

O primeiro semestre do ano foi extremamente positivo para o sector do franchising, essencialmente no que diz respeito ao aumento do número de unidades das redes, embora a maioria das marcas tenha registado uma descida generalizada do consumo, o que influenciou o volume de facturação das suas unidades. Cerca de 45% das redes aumentou o seu número de lojas e apenas 32,5% das marcas diminuíram as suas unidades. A prestação de serviços continua a agregar o maior número de conceitos. O sector dos serviços Business to Business (B2B) é o que tem registado maiores índices de crescimento, justificado por haverem cada vez mais pequenas e médias empresas (PME) a recorrerem ao outsourcing.

O mercado continua a atrair novos empresários que encontram neste modelo de negócio uma opção de investimento e, nos primeiros seis meses do ano, surgiram 24 novos conceitos. Interessante salientar que se mantém a aposta na criação de negócios low cost, uma vez que o nível médio de investimento destes conceitos situa-se nos 22.500 euros.

Andreia Jotta, directora geral do IIF, comenta: “O balanço que fazemos da edição deste ano do Franchise Show é extremamente positivo. Vimos confirmadas as nossas expectativas anteriores à realização da feira de que, num contexto económico particularmente difícil, o certame iria funcionar como motor do empreendedorismo no Norte do País. Embora o número de marcas presentes na feira tenha decrescido ligeiramente face ao ano anterior, o número de visitantes aumentou, confirmando que existe actualmente uma maior procura de soluções tendo em vista a criação de negócio ou até de auto-emprego e que o franchising continua a cativar muitos empreendedores.”

Conclui: “As nossas perspectivas para o próximo ano são bastante optimistas. O franchising apresenta todas as condições para superar os desafios que se lhe apresentam, não só porque historicamente sempre funcionou em contra ciclo com a conjuntura económica, como também por ser expectável que, tendo em conta a taxa de desemprego no nosso País, muitas pessoas optem por esta via para criar o seu negócio, beneficiando de soluções concretas, com oportunidades de investimento adequadas a todos os perfis e que oferecem menor risco para o empreendedor.”