INDICE





Conclusão

 

Por toda a parte o franchising se desenvolveu fortemente nos últimos anos. Em Portugal, que recentemente conheceu esta forma de negociar, o crescimento tem sido exponencial.

Esta fórmula contribui para o sucesso comercial de certas empresas que a souberam utilizar, comandando o seu desenvolvimento.

O franchising encontra um terreno favorável sempre que haja um grande profissionalismo nos diferentes sectores de actividade e em especial no comércio a retalho, apresentando-se como uma via interessante na aplicação de um marketing diferenciado.

Mais desenvolvida no âmbito do comércio a retalho, constitui também uma excelente oportunidade de desenvolvimento para as actividades de serviços. Neste campo, pode modificar consideravelmente a estrutura concorrencial de sectores dispersos, pelo seu efeito de coligação e concentração.

O seu interesse para o consumidor reside no facto de reproduzir uma oferta comercial que é capaz de responder a necessidades diferentes e, provavelmente, ao melhor preço.

Mas, como sempre acontece quando surge um novo sistema económico, aos adventos rapidamente se seguem perguntas relativas ao futuro...

Qual o futuro do franchising?

Os especialistas não hesitam em vaticinar-lhes objectivos promissores, apontando para isso algumas razões:

Nas sociedades desenvolvidas, os serviços tendem a desenvolver-se cada vez mais. Surgem técnicas muito avançadas. Ora o desenvolvimento recente do sistema de franchising diz particularmente respeito aos serviços. A expansão destes serviços provocará portanto a expansão do franchising.

A compilação e sofisticação dos circuitos económicos estão na origem de uma certa especialização das actividades das empresas. Estas, desejosas de se concentrarem na sua especificidade comercial, mostram uma tendência cada vez maior para delegar em outrem aquilo que puderem, de forma a mobilizarem a sua energia para a respectiva actividade, que representa a sua legitimidade no mercado em questão. O franchising, outra coisa não pode ver nesta tendência, que não seja um terreno favorável à sua própria expansão, baseada precisamente na preparação de respostas para os problemas suscitados pela evolução económica das sociedades industriais avançadas.

Face ao expansionismo da grande distribuição que tende a levar cada vez mais empresas para situações de sub-empreitada, o franchising apresenta-se como uma forma de resistência a essa laminagem dos circuitos de distribuição. O franchising está em condições de manter a pluralidade das opções nos circuitos económicos, preservando assim um liberalismo económico que foi berço da sua criação.

A vida económica actual caracteriza-se acentuadamente por uma duração cada vez menor dos produtos e serviços oferecidos no mercado. Esta evolução requer meios financeiros importantes, de forma a que sejam rápida e maciçamente difundidos os produtos em questão, antes que se tornem obsoletos, e principalmente para que se prevejam os produtos que os vão substituir, mercê da política de investigação e de inovação que absorve muita energia financeira. Estes constrangimentos fazem com que as empresas, mesmo as maiores, nem sempre possam financiar directamente a solução a tais carências. Daí a busca de soluções originais, integrando financeiramente alguns parceiros a quem é concedida uma certa independência capaz de os motivar. São precisamente estas respostas que o franchising sabe dar, na medida em que o esforço de investimento se transfere parcialmente do franqueador para os franqueados.

A evolução positiva prevista para o franchising, explica-se igualmente pelo número cada vez maior de candidatos a franqueados. Este entusiasmo baseia-se na possibilidade de criar uma empresa e buscar simultaneamente uma certa segurança, uma vez que o risco é grandemente minimizado, na medida em que os investimentos dos franqueados devem ser recompensados, já que se processam à imitação do êxito já comprovado pelo franqueador.

Muitos são os sectores em que a distribuição é obsoleta. O franchising depara então com um terreno privilegiado a conquistar ( pronto-a-vestir, restauração rápida, hotelaria...). No caso de actividades técnicas e industriais o franchising é chamado a um desenvolvimento tanto mais importante e sólido, já que se trata de uma autêntica transferência de conhecimentos.

O franchising, porém, não é a solução miraculosa para todos os desafios da vida económica actual. Este sistema não deverá representar, para um empresário diligente, um rápido meio para este se desenvolver sem investir, enfeitando-se com o título de franqueador. Já vimos que este sistema de negócio requer uma prévia e delicada preparação, por vezes prolongada e onerosa, para quem toma a iniciativa. De igual modo e reciprocamente o franchising não é panaceia para quem quer que procure uma actividade para ocupar o tempo. A situação do franqueado requer uma preparação psicológica, financeira e técnica que impede qualquer decisão irreflectida e impulsiva de adesão a uma rede de comércio associado. Como em qualquer união , a reflexão é primordial.

A evolução económica exigirá cada vez mais que esta fórmula seja enriquecida com duas precisões suplementares:

A união na independência e o companheirismo farão a força.

Bibliografia

 

Hall, Peter / Dixon, Rob Franchising - uma nova forma de negociar Editorial Presença - 1ª edição - 1991

Mendez, M. de / Lehnish, J. P. O sucesso da franchise Rés Editora - 9ª série – 1989

Valada, Rui O que é o Franchising? Edições Cetop, 1995

Rosseau, José António Manual de Distribuição Abril/Controljornal - 1997

Ruiz, Nuno "O Franchising": Introdução à franquia Internacional Colecção ICEP 5 - 1ª edição - 1988

Simões, M. Barata Franchising - franquia, inovação e crescimento Texto Editora, Lda - 1ª edição - 1991

Diário Económico Edições de 1997 e 1998

Exame Edições de 1997 e 1998

Executive Digest Edições de 1995, 1996, 1997 e 1998

Expresso Anos de 1997 e 1998

Franchising Directório de oportunidades 1998

Guia Prático do Franchising Dezembro/Janeiro de 1999

Ideias & Negócios Ano de 1998

Marketeer Janeiro de 1999

Negócios e Franchising Edições de 1997 e 1998